Gestão de Qualidade em Tempo Real
Curiosidades

O que é necessário ter em uma tabela nutricional alimentar?


A rotulagem nutricional é utilizada em bebidas e alimentos industrializados, comercializados e embalados para uso do consumidor. Entretanto, existem alguns produtos dispensados da obrigação de fornecer estas informações, como vinagre, sal, frutas ou vegetais. Carnes in natura, algumas especiarias (canela e pimenta do reino, por exemplo) e algumas bebidas, como alcoólicas, água, chás e cafés não precisam apresentar informações nutricionais.

Alimentos feitos e embalados em restaurantes descritos como prontos para consumo, como marmitas e sobremesas também dispensam a rotulagem nutricional. É o que acontece, também, com produtos fatiados no ponto de venda, como queijos e salames. A legislação requer que qualquer alimento embalado na ausência do consumidor em restaurantes possua rotulagem completa, então sobremesas não estão dispensados.

A rotulagem tem, então, o objetivo de orientar o consumidor sobre a composição do alimento por meio de transparência, facilitando suas escolhas na hora de realizar uma dieta saudável e balanceada.

Quais informações devem conter nos rótulos?

quais-informacoes-devem-conter-nos-rotulos

O valor energético é um item indispensável na rotulagem de alimentos. Além dele, quantidade de proteínas, carboidratos, fibras e sódio são itens essenciais. Níveis de gordura, como saturadas, trans ou totais são informações importantes e devem ser passadas aos consumidores. Minerais e vitaminas que apresentem mais que 5% do percentual de valor diário de consumo também precisam constar no rótulo do produto.

Os elementos devem ser detalhados por porção e precisam ser mencionadas em grama ou ml. De acordo com a ANVISA, é obrigatório que o tamanho das letras e números da rotulagem nutricional não sejam inferiores a 1mm, com exclusão a indicação dos conteúdos líquidos.

O que não pode conter nos rótulos?

o-que-nao-pode-conter-nos-rotulos

A ANVISA não permite que os rótulos de alimentos industrializados contenham informações que não possam ser comprovadas. Um exemplo disso é quando um rótulo leva o consumidor a pensar que o produto pode substituir outro e, no caso, as composições nutricionais acabam não sendo as mesmas.

Propriedades que não podem ser comprovadas também são proibidas na rotulagem de produtos. Informar que um certo alimento diminui o risco de doenças ou tem propriedades medicinais e emagrecedoras é proibido.

Obrigatoriedade da tabela nutricional em estabelecimentos

obrigatoriedade-da-tabela-nutricional-em-estabelecimentos

A Lei 6.263/12 determina que fornecedores de alimentos como restaurantes, redes de fast-food, padarias, mercados, confeitarias e lanchonetes mostrem as informações sobre as composições dos alimentos não industrializados que oferecem, mesmo sendo de própria fabricação ou de terceiros.

Fornecer essas informações é, também, uma forma de respeito aos consumidores que tenham restrições alimentares devido a problemas como diabetes e colesterol, pois as informações nutricionais são essenciais para manter uma alimentação regrada. Elas deverão ser expostas em um lugar visível ao público ou impressas na embalagem do alimento, e tudo deve ser apresentado com clareza e de forma legível.

Pode ser que se interesse por esse nosso post sobre Como criar um Manual de Boas Práticas de Fabricação.

{{cta(‘1badb3f9-2501-434d-b9cc-31e9b1885de3’)}}

Você costuma ler os rótulos dos alimentos que consome? Tem alguma dificuldade em compreendê-los? Escreva abaixo nos comentários!

CTA Sistema Trofitic Chef
Curiosidades
Gestão de resultados: não se gerencia o que não se mede!
Curiosidades
Como nasce uma equipe vencedora
Curiosidades
Por que a Vigilância Sanitária fecha alguns restaurantes?